Tam.Texto

Adolescentes se mobilizam pela Reforma Política


Add this to your website

 

A partir deste sábado, 11 de agosto, adolescentes do projeto Onda: adolescentes em movimento pelos direitos participam de uma série de atividades da “Mobilização Popular em Apoio à Reforma Política”. No sábado, acontece a primeira fase de mobilização que será feita por meio da Oficina do Processo Legislativo.  O objetivo do evento é debater com os meninos e meninos questões sobre a reforma política. Na ocasião será apresentado um vídeo introdutório que trata do  processo legislativo. Além disso, a evento contará com uma série de oficinas sobre temos como: financiamento público de campanha; lista pré-ordenada  para as eleições, democracia direta e participativa, fim dos privilégios e da impunidade aos parlamentares, e combate à corrupção e à transparência.

Ao final da Oficina, os meninos e meninas irão produzir instrumentos de comunicação (charges, grafite, vídeos e inserções em redes sociais) como estratégia de sensibilizar o público para a coleta  coleta de assinaturas para o PL de Iniciativa Popular.

Na próxima semana, entre os dias 13 e 18 de agosto, o Inesc realizará, juntamente com os adolescentes, um esforço concentrado que também tem o objetivo de aumentar as coletar assinaturas para o PL de Iniciativa Popular para a Reforma Política. Essa ação ocorrerá dentro de cinco escolas do Distrito Federal (instituições onde o projeto Onda atua).

Finalizando a mobilização, no dia 22 de agosto os adolescentes irão participar de um Café da Manhã na Câmara dos Deputados. Na oportunidade, eles discutirão sobre reforma política com os parlamentares. Para Lucídio Bicalho, assessor político do Inesc, a ação tem o objetivo de exercer cidadania. “A origem do poder político é a soberania popular e podemos exercer esse poder diretamente por meio, por exemplo, de um projeto de Lei de iniciativa popular. É o que estamos fazendo para a reforma política. A ideia é que os/as adolescentes participem de forma voluntária da formação e decidam se querem coletar assinaturas para o PL popular que foi lançado pela Plataforma”, disse.

Com informações do INESC