Tam.Texto

Comissão da Câmara convida sociedade civil para maior participação no parlamento


Add this to your website

 

Comissão da Câmara convida sociedade civil para maior participação no parlamento
 
Publicado em 27/03/2013 13:25
 
Entidades da sociedade civil puderam opinar e dar sugestões do que a Comissão deve priorizar neste ano.
 
Alexandra Martins/ Câmara dos Deputados
A Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados (CLP) realizou na última quarta-feira, 20, mesa-redonda com a participação de entidades da sociedade civil. O Inesc foi convidado para o debate, assim como o Conselho Indigenista Missionário, a Fundação Abrinq, o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), a AJUFE (Juizes federais), entre outros.
 
O objetivo da reunião foi fazer com que os parlamentares e membros da comissão tomassem conhecimento das demandas, anseios, dúvidas e sugestões das entidades nessa primeira mesa de debates promovida pela CLP deste ano.
 
A mesa-redonda foi transmitida ao vivo pela WebCâmara e os cidadãos puderam conferir o evento por meio do portal e-Democracia, que promoveu bate-papo online sobre o tema em tempo real.
 
 
A assessora do Inesc, Eliana Graça, representou a instituição e defendeu a retomada da prerrogativa da CLP de apresentar emendas ao orçamento e a apreciação da proposta de reforma política apresentada pelo Inesc em nome da Frente Parlamentar (SUG 174/09) em 2009. “A questão orçamentária é fundamental. Nós queremos influenciar como o governo devolve para a sociedade aquilo que ela recolhe em impostos. E isso se consubstancia no Orçamento da União. Então, é fundamental ter um espaço onde a sociedade pode chegar e apresentar suas propostas, e a comissão discutir e decidir quais as emendas que ela vai apresentar, e que vieram da sociedade, dos grupos organizados. Foi um equívoco muito grande terem retirado essa prerrogativa.”
 
 
Por fim, o deputado Lincoln Portela (PR-MG), presidente da comissão, explicou que será feita síntese das sugestões propostas e, junto ao colegiado, a CLP dará resposta à sociedade do que poderá ser feito para mudar a realidade, com projetos, audiências públicas e mesas redondas. “A comissão está apta para poder responder aos anseios, tanto das associações, das federações, para que, dessa forma, possamos ter uma nação melhor." O deputado informou ainda que os projetos mais consensuais serão adicionados à lista dos 32 PLs da CLP que estão prontos para serem votados no Plenário da Câma
 

Entidades da sociedade civil puderam opinar e dar sugestões do que a Comissão deve priorizar neste ano. Alexandra Martins/ Câmara dos DeputadosA Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados (CLP) realizou na última quarta-feira, 20, mesa-redonda com a participação de entidades da sociedade civil. O Inesc foi convidado para o debate, assim como o Conselho Indigenista Missionário, a Fundação Abrinq, o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), a AJUFE (Juizes federais), entre outros.

 
 

O objetivo da reunião foi fazer com que os parlamentares e membros da comissão tomassem conhecimento das demandas, anseios, dúvidas e sugestões das entidades nessa primeira mesa de debates promovida pela CLP deste ano. A mesa-redonda foi transmitida ao vivo pela WebCâmara e os cidadãos puderam conferir o evento por meio do portal e-Democracia, que promoveu bate-papo online sobre o tema em tempo real.

 
 
 
 

A assessora do Inesc, Eliana Graça, representou a instituição e defendeu a retomada da prerrogativa da CLP de apresentar emendas ao orçamento e a apreciação da proposta de reforma política apresentada pelo Inesc em nome da Frente Parlamentar (SUG 174/09) em 2009. “A questão orçamentária é fundamental. Nós queremos influenciar como o governo devolve para a sociedade aquilo que ela recolhe em impostos. E isso se consubstancia no Orçamento da União. Então, é fundamental ter um espaço onde a sociedade pode chegar e apresentar suas propostas, e a comissão discutir e decidir quais as emendas que ela vai apresentar, e que vieram da sociedade, dos grupos organizados. Foi um equívoco muito grande terem retirado essa prerrogativa.”

 
 
 
 

Por fim, o deputado Lincoln Portela (PR-MG), presidente da comissão, explicou que será feita síntese das sugestões propostas e, junto ao colegiado, a CLP dará resposta à sociedade do que poderá ser feito para mudar a realidade, com projetos, audiências públicas e mesas redondas. “A comissão está apta para poder responder aos anseios, tanto das associações, das federações, para que, dessa forma, possamos ter uma nação melhor." O deputado informou ainda que os projetos mais consensuais serão adicionados à lista dos 32 PLs da CLP que estão prontos para serem votados no Plenário da Câmara.

 
 
 
 

Fonte: Portal Inesc