Tam.Texto

Partidos traçam planos para eleição da presidência da Câmara


Add this to your website

Com a aproximação do desfecho que pode retirar Eduardo Cunha (PMDB-RJ) formalmente da presidência da Câmara, partidos do chamado “centrão” e o PMDB, maior sigla da Casa, tentam manter o controle da instituição pelos próximos anos. A saída de Cunha terá como efeito imediato nova eleição para a presidência, que deverá ser realizada em um prazo de cinco sessões. O vencedor cumprirá mandato até 1º de fevereiro de 2017. As informações foram divulgadas em matéria da Folha na manhã deste domingo (26).

 

Crucial para o afastamento de Dilma Rousseff da Presidência e com forte ligação com Cunha, o “centrão” tem pouco mais de uma dezena de deputados cotados para o mandato, a maioria deles do  de partidos como PP, PR, PSD, PTB, PRB e outras siglas menores, que reúne pouco mais de 200 dos 513 deputados.

O objetivo de integrantes desse grupo é emplacar um nome para o mandato com o compromisso de apoiar um candidato da estrita confiança de Michel Temer para o biênio 2017-2018, provavelmente um peemedebista (com bancada de 66 deputados), caso ele continue na Presidência da República.

Ainda de acordo com a matéria, estão cotados para o cargo Rogério Rosso (PSD-DF) e Jovair Arantes (PTB-GO), presidente e relator da comissão do impeachment de Dilma, além de Esperidião Amim (PP-SC), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Giacobo (PR-PR) e Beto Mansur (PRB-SP), entre outros. A maioria deles têm boa relação com Cunha, que acompanha as conversas à distância e, segundo aliados, tenta emplacar como sucessor um nome de confiança.

O peemedebista foi afastado da Câmara pelo Supremo Tribunal Federal em maio, e seu processo de cassação pode ser concluído no mês que vem. Deputados que têm ido visitá-lo na residência oficial da Câmara dizem que ele tem preferência por Rosso ou Arantes. Ambos, porém, dizem não ter interesse no cargo.

Embora componham juntamente com o “centrão” e o PMDB a base de Temer, PSDB, DEM, PSB e PPS, que têm 120 deputados, preferem um nome sem vínculo direto com Cunha e chegaram a tabular conversas com o PT e seus aliados (90 deputados) na tentativa de um candidato alternativo. A avaliação de alguns integrantes desse grupo é de que o “centrão” está enfraquecido após as derrotas consecutivas de Cunha e seria incapaz de reunir sozinho força suficiente para eleger alguém.

Entre os nomes citados nesse grupo estão Júlio Delgado (PSB-MG), Antonio Imbassahy (PSDB-BA) e Rodrigo Maia (DEM-RJ). Dos três, Delgado é o único claramente opositor a Cunha.

“O que interessa para alguns é manter a Casa nesse ritmo. Mas não dá para eleger um preposto do Eduardo Cunha”, disse Delgado.